Dr. Márcio é Pioneiro em MEGASESSÕES de FUE no Brasil - Referência Internacional na Técnica Combinada para calvícies avançadas - Dedicação exclusiva ao TRANSPLANTE CAPILAR Avaliação On Line - Centro de Implante de Cabelo - Fortaleza CE
Pacientes de outras localidades - Centro de Implante CapilarAtendimento em outras capitais - Centro de Implante Capilar


Nome: 
E-mail:             
Fone: 
Mensagem: 
 


Centro de Implante e Transplante de cabelos

INSTITUTO DE MEDICINA DO CABELO -
MÁRCIO CRISÓSTOMO
Rua Leonardo Mota, 2429 - Dionísio Torres
60.170-041
Fortaleza / Ceará – Brasil

ESTACIONAMENTO INTERNO E MANOBRISTA

Perguntas Frequentes sobre Implante Capilar, queda de cabelo e calvície
Blog - Novidades e comentários sobre queda de cabelo Clique para ir ao Blog do Centro de Implante Capilar
Sala de Imprensa
Selo - Top Empresarial Internacional

Revista Poder da jornalista Joyce Pascowitch entrevista o Cirurgião Plástico Dr. Márcio Crisóstomo


“Destaque em matéria da Revista de circulação nacional PODER, da Jornalista Joyce Pascowitch, abordando o destaque internacional da Técnica Untouched Strip.” Ed. Nov/2012

Dr. Márcio é destaque na Revista Poder falando sobre Técnica Untouched Strip

Debaixo dos caracóis...

Transplante Capilar - Antes de Depois

Os fios mais resistentes são transplantados para a área calva, mantendo suas características originais.Como o implante corresponde a unidades da raiz do cabelo, o ciclo de crescimento
e os novos fios costumam nascer entre o 3º ao 5º mês após a cirurgia. (Fotos: Reprodução)

 

Tratamento clínico, complementar ou cirúrgico. Sempre há uma opção para cada caso ou estágio.

 

Sinal de força, virilidade e, por muitas vezes, também usado como arma de sedução, o cabelo pode ter grande repercussão psicológica na vida de homens e mulheres quando os fios começam a cair de forma crescente e desordenada.

 

Sejam quais forem as causas (distúrbios hormonais, anemia, estresse, doenças autoimunes e do couro cabeludo) ou a mais freqüente, a alopecia androgenética (andro: relação com os hormônios masculinos; genética: hereditariedade), o importante é saber que existe tratamento para cada caso ou estágio da calvície. Mas antes de escolher qual a conduta - tratamento clínico, complementar não-cirúrgico ou cirúrgico- o paciente deve ser avaliado por um médico dermatologista.

 

Avaliação clínica

 

Quando a perda de cabelos está em fase inicial, a avaliação clínica objetiva afastar as causas menos comuns e diagnosticar doenças do couro cabeludo, destaca o cirurgião plástico especializado em transplante capilar Márcio Crisóstomo, coordenador do Serviço de Cirurgia Plástica do Hospital Filantrópico Paulo Sarasate (Redenção /CE) e diretor médico da Clin - Cirurgia Plástica, Dermatologia e Tratamento da Calvície.

 

“Com a ajuda de um miocroscópio digital (aumenta em 250 vezes a imagem), o médico pode fazer uma análise detalhada do couro cabeludo (enquanto o paciente assiste o exame por um monitor). A partir desta avaliação, podemos prescrever drogas orais e tópicos para parar ou diminuir a queda, cujas contra-indicações e a indicação é individualizada para cada paciente”, argumenta.

 

Os tratamentos complementares (não cirúrgicos) funcionam como uma segunda opção igualmente viável para combater a calvície. Entre as tecnologias mais recentes figuram o laser de baixa potência (LLL – Low level laser) e o LED (Light emmiting diodes). O LLL possui ação antiinflamatória, promovendo um aumento na microcirculação, com o aumento na oferta de oxigênio local, a luz do laser é absorvida pelas células ativando a multiplicação celular da raiz do cabelo, acelerando a velocidade de crescimento dos fios e da densidade. O LED faz uma fotobiomodulação com aumento no metabolismo e divisão celular e tem ação antiinflamatória.

 

“As técnicas são empregadas com sucesso tanto no tratamento complementar da queda em fases iniciais como no pós-operatório do implante, já que ambos promovem uma recuperação mais rápida, e nascimento precoce dos fios implantados”. É o que explica Márcio Crisóstomo, pesquisador do Departamento de Cirurgia da UFC, onde estuda novas opções para a solução nutriente que conserva as unidades foliculares à semelhança das soluções que conservam outros tipos de transplantes de órgãos.

 

Transplante

 

Clique para Ampliar - Diário do Nordeste - Tratamento Cirúrgico

Em estágios mais avançados de calvície, ou quando o tratamento clínico não produziu os efeitos esperados em fases mais iniciais, o tratamento indicado é o microtransplante capilar ou implante capilar. Desenvolvida pelo um cirurgião plástico de Porto Alegre (RS), Dr. Carlos Uebel, a técnica se baseia no princípio de que os fios existentes na parte lateral e posterior são imunes aos efeitos da alopecia androgenética.

 

Estes fios mais resistentes são transplantados para a área calva, mantendo suas características originais, ou seja, são definitivos. Como o implante corresponde a unidades da raiz do cabelo, o ciclo de crescimento e os novos fios costumam nascer entre o 3º ao 5º mês após o procedimento cirúrgico. Depois que nascem crescem um centímetro por mês. O resultado final pode ser observado após um ano.

 

Identificada a área doadora, o procedimento tem início com a retirada de uma faixa de couro cabeludo contendo os cabelos com espessura de aproximadamente 1,5cm. A extensão é variável uma vez que depende do grau de calvície a ser tratado, podendo estender-se de orelha a orelha em casos mais severos. Após a retirada dos cabelos a região é suturada (os pontos são absorvíveis), resultando em uma cicatriz muito discreta pois é encoberta pelo cabelo remanescente.

 

Para que a cirurgia tenha sucesso, descreve Dr. Márcio Crisóstomo, “é fundamental que o cirurgião utilize sua experiência e senso artístico para desenhar uma linha anterior natural, pois é a partir desta linha que os fios serão implantados”. E complementa: “a linha anterior deve ser desenhada de forma que fique a mais parecida possível com a linha anterior de uma pessoa não calva, ou seja, de forma irregular e mantendo as entradas naturais do paciente. Este desenho é essencial, pois se a linha anterior não ficar natural pode comprometer o resultado e prejudicar futuros implantes”, diz o médico que realizou residência e pós-graduação durante três anos no serviço do Prof. Ivo Pitanguy, no Rio de Janeiro.

 

Microscópios - Equipe dividindo as unidades folicularesA faixa de couro cabeludo retirada da área doadora é tratada por uma equipe devidamente treinada pelo cirurgião-chefe que, com o auxílio de microscópios e lentes de aumento apropriadas, dividem este couro cabeludo em finas porções ou unidades foliculares (UF), cada uma contendo de 1 a 4 fios de cabelos. Estas unidades são conservadas em soluções nutrientes até o momento em que os cabelos são implantados. “É essencial uma equipe bem treinada no preparo das Ufs para que o implante não tenha o aspecto artificial (ou algo parecido com “cabelo de boneca”), fato freqüente nas técnicas mais antigas.

 

O cirurgião realiza o implante das unidades foliculares na área calva seguindo o traçado da linha anterior previamente desenhada por ele. Com lâminas microcirúrgicas, o cirurgião produz incisões puntiformes onde são colocadas as UFs (o procedimento não resulta em cicatrizes). Segundo explica Márcio Crisóstomo, a direção do implante deve seguir o sentido natural de crescimento dos fios, sendo a densidade a maior possível para que o implante não fique com aspecto mais “ralo”.

 

As unidades mais finas (contendo um e dois fios) são colocadas na linha de frente, conferindo um aspecto natural na parte frontal da cabeça, enquanto as unidades com 3 e 4 fios são dispostas na área posterior, conferindo volume e movimento ao cabelo. Esta fase do processo é feita simultaneamente ao preparo das UF, com duração de cerca de 5 a 6 horas. Neste tempo, informa, são implantados cerca de 5 a 6 mil fios, sendo o trabalho conduzido por uma equipe de sete ou oito profissionais, no caso dos procedimentos realizados na Clin, em Fortaleza.

 

O procedimento é realizado em hospital, com toda a segurança que um procedimento cirúrgico requer, inclusive com o acompanhamento de um médico anestesiologista para fazer uma leve sedação que mantêm o paciente tranqüilo e estável durante todo o procedimento. Após a sedação, o procedimento cirúrgico é todo feito com anestesia local para a retirada dos fios e na área calva.

 

Como em toda a cirurgia, os cuidados pós-operatórios são igualmente importantes. No dia seguinte à cirurgia, o paciente vai á clínica onde tem os cabelos lavados sendo orientado sobre como lavá-los em casa, ocasião em que é feita a primeira aplicação de laser e LED. “Utilizamos essas tecnologias de rotina no pós-operatório com o objetivo de reduzir o processo inflamatório da cirurgia, aumentar a circulação local, a velocidade de crescimento dos fios e a densidade. Além deste tratamento medicações orais e loções para aplicar também são prescritas. Em 48 horas o paciente pode retornar às suas atividades cotidianas”, informa o cirurgião plástico.

 

FIQUE POR DENTRO

Queda atinge mais região frontal e superior

 

O mecanismo da queda na alopecia androgenética acontece da seguinte forma: o hormônio masculino (testosterona) é metabolizado no organismo e uma das suas divisões - a DHT (di-hidro-testosterona) - atua no folículo piloso de áreas geneticamente pré-dispostas (determinadas pela hereditariedade) fazendo com que os folículos fiquem miniaturizados, até a sua queda definitiva e irreversível.

 

Essa queda de cabelo segue um padrão e acomete áreas na região frontal e superior da cabeça em níveis diferentes em conformidade com o que é determinado geneticamente. Essa perda de cabelo pode variar desde as formas mais leves, com pequenas e discretas entradas, até as mais severas, onde sobra somente uma pequena faixa de cabelo nas laterais da cabeça e na nuca.

 

A razão pela qual os fios de cabelo da parte lateral e da nuca nunca caírem, é que os mesmos possuem uma origem embriológica diferenciada dos fios existentes na parte superior da cabeça, sendo imunes aos efeitos da alopecia androgenética. Este fato é extremamente importante para o sucesso no transplante de cabelos, que utilizam os fios desta região por serem justamente os mais resistentes, ou seja, são considerados definitivos.

 

DADOS

 

50% dos homens têm algum grau de calvície. A alopecia androgenética costuma surgir entre os 20 e 30 anos, sendo mais freqüente a partir dos 40 anos. Os dados são da literatura norte-americana.

 

DADOS

 

"Os alisamentos muito vigorosos podem gerar queda em quem já tem tendência´ 'O ideal é procurar um dermatologista para orientar sobre o shampo, como lavar os cabelos e a freqüência´"(Márcio Crisóstomo, Cirurgião plástico)

 

 

 

Sala de Imprensa do Centro de Transplante Capilar
Veja aqui todas as entrevistas do Cirugião Plástico Dr. Márcio Crisóstomo especialista em Transplante Capilar
Veja aqui todas as entrevistas do Cirugião Plástico Dr. Márcio Crisóstomo especialista em Transplante Capilar
Veja aqui todas as entrevistas do Cirugião Plástico Dr. Márcio Crisóstomo especialista em Transplante Capilar

 

Cirurgia Plástica, dermatologia, tratamento da calvície, Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, AEXPI, Associação Brasileira de Cirurgia da Restauração Capilar, SBCD, SBD, ISHRS European Society of Hair Restoration Surgery  Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica Associação dos Ex-Alunos do Prof. Ivo Pitanguy de Dermatologia Associação Brasileira de Cirurgia da Restauração Capilar International Society of Hair Restoration Surgery American Board of Hair Restoration Surgery